terça-feira, 11 de novembro de 2014

Os Maçons Tornam-se Desnecessários quando...

Decorrido algum tempo de sua Iniciação ao primeiro grau da Ordem, já demonstram desinteresse pelas sessões, faltando constantemente, demonstrando não estarem comprometidos com a Instituição, apesar de terem aceito a Iniciação e terem feito um juramento solene; 

Ao tempo da apresentação de trabalho para aumento de salário, não tem a mínima ideia dos assuntos dentre os quais podem escolher os seus temas. Simplesmente copiam alguma coisa de um livro e apresentam-no, pensando que ninguém vai notar; 

Durante as sessões, já "enturmados", ficam impacientes com as instruções, com a palestras ou com a palavra dos Irmãos mais velhos, achando tudo uma chatice, uma bobagem que atrasa o ágape e a esticada; 

Ainda Companheiros, começam a participar de grupos para ajudar a eleger o novo Venerável e, não raro, já pensando seriamente em, assim que chegarem a Mestres, começarem a trabalhar para obter o "poder" na Loja; 

Mestres,não aceitarem que ainda não sabem nada a respeito da Ordem e acharem que estudar e comparecer ao máximo de sessões do ano é coisa para administração, para companheiros e aprendizes; 

Mestres, as participarem das eleições como candidatos a algum cargo na Loja, principalmente para o de Venerável, e não forem eleitos, sumirem ou filiarem-se a outra Loja onde poderão ter a "honra" de serem cingidos com o avental de M.'. I.'., que é muito mais vistoso do que o de um "simples" Mestre; 

Já Mestres e até participando dos graus filosóficos não terem entendido ainda que o essencial para o verdadeiro Maçom é o seu crescimento espiritual, a sua regeneração, a sua vitória sobre a vaidade e os vícios, a aceitação da humildade e o bem que possam fazer aos seus semelhantes; e que, a política interna, a proteção mútua, principalmente na parte material, é importante mas não essencial; 

Como Aprendiz, Companheiro ou Mestre,não entenderam que a Loja necessita que suas mensalidades estejam rigorosamente em dia, para que possam fazer frente às despesas que são inevitáveis; 

Como Veneráveis Mestres,deixam o caos se abater sobre a Loja, não sendo firmes o suficiente para exercer sua autoridade; não tendo um calendário com programação pré-definida para um período; não cobrando de seus auxiliares a consecução das tarefas a eles determinadas, e não se importando com a educação maçônica, que é primordial para o aperfeiçoamento dos Obreiros; 

Como Vigilantes, não entendem que, juntamente com o Venerável Mestre, devem constituir uma unidade de pensamento, pois em todas as Lojas nas quais um ou os dois Vigilantes não se entendem com o Venerável, o resultado da gestão é catastrófico; 

Como Guarda da Lei, nada sabem das leis e regulamentos da Potência e de sua própria Loja, e usam o cargo apenas para discursos ocos e intermináveis; 

Como Secretários, sonegam à Loja as informações dos boletins quinzenais, as correspondências dos Ministérios e, principalmente, os materiais do departamento de cultura, que visam dotas as Lojas de instruções e conhecimentos que normalmente não constam dos rituais, e são importantes para a formação do Maçom; 

Como Tesoureiros , não se mostram diligentes com os metais da Loja, não se esforçam para manter as mensalidades dos Irmãos em dia e não se importam com os relatórios obrigatórios e as prestações de contas; 

Ø Como Hospitaleiros, não estão atentos aos problemas de saúde e dificuldades dos Irmãos da Loja. Quando constatamos que em grande número de Lojas, com uma freqüência média de vinte Irmãos, se recolhe um tronco de beneficência de R$ 10,00 (dez reais) em média, todos são desnecessários, pois a benemerência é um dever do Maçom; 

Como Chanceleres, não dão importância aos natalícios dos Irmãos, cunhadas, sobrinhos e de outras Lojas. Quando, em desacordo com as leis, adulteram as presenças, beneficiam Irmãos que faltam e não merecem este obséquio; 

Quando a Instituição programa uma Sessão Magna Pública para homenagear alguém ou alguma entidade pública ou privada,constata-se a presença de um número irrisório de Irmãos, dando aos profanos uma visão negativa da Ordem, deixando constrangidos aqueles que se dedicaram e se esforçaram para realizar o evento à altura da Maçonaria. Todos esses Irmãos indiferentes, que não comparecem habitualmente a essas sessões, são desnecessários à nossa Ordem.

Trabalho da web

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Maçonaria da região Centro Sul do Ceará cria frente de trabalho através do 20º Distrito para ajudar a melhorar a vida do povo

José Modesto (representante do Grão Mestre), José Ferreira (venerável Mestre da
loja 026) e Edmilson Alves Bezerra (venerável Mestre da loja 10)

A loja maçônica de Acopiara, Irmão Raimundo Teixeira Nº 26 através do 20º Distrito que tem como como representante do Sereníssimo Grão Mestre, José Bezerra Modesto (Valdizio)  reuniu as lojas maçônicas da região para discutir assuntos de interesse da população. 

Pelo menos cinco frentes de trabalho foram assumidos nesta reunião pelo 20º Distrito, sendo que desse total um será escolhido para ganhar o apoio e o empenho da maçonaria. 


Dentre os assuntos discutidos e tratados como prioridades estão: UTI Regional, aterro sanitário ou usina de reciclagem para a região, Campus Avançado da Universidade Federal para a Região, reestruturação do hospital Regional de Iguatu e centro de recuperação pra jovens envolvidos com drogas. 

Cada assunto foi debatido amplamente pelos maçons e uma comissão de 18 membros da instituição está sendo formada para abrir o debate com autoridades locais, regionais e em nível nacional. 


Segundo o representante do sereníssimo Grão Mestre no 20º Distrito, José Valdizio, a ideia é sensibilizar as autoridades competentes para assuntos graves que afligem a população e que precisam de resposta rápida por quem de direito. "Nós enquanto instituição forte e de crédito perante a sociedade não podemos nos calar diante de tantos problemas que requerem a nossa participação enquanto maçonaria. Vamos lutar para tornarmos a humanidade mais feliz", disse Modesto.

Uma nova reunião está sendo agendada para que a comissão seja apresentada. Cada loja pertencente ao 20º Distrito contará com representatividade dentro do trabalho que será desenvolvido.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

A viagem não acaba nunca

A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse: 

 “Não há mais o que ver”, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre. 

José Saramago

Mãe de Boaz

Raabe, (em hebraico: רָחָב,hebraico moderno: Raẖav, hebraico tiberiano: Rāḥāḇ; "amplo", "grande"; em grego: Ῥαάβ) era, de acordo com o livro de Josué, uma mulher que vivia em Jericó, na Terra prometida e que ajudou os israelitas na captura da cidade. Quase todas as traduções de Josué para o Português a descrevem como uma meretriz ou prostituta. 

 O comentarista judeu medieval Rashi afirma que ela era uma vendedora de alimentos no mercado em Jericó. O historiador do primeiro século dC Josefo menciona que Raabe manteve uma pousada, mas é omisso quanto a saber se apenas o arrendamento de quartos era sua única fonte de renda. 

No Novo Testamento Cristão, a epístola de Tiago e a epístola ao hebreus seguem a tradição estabelecida pelos tradutores da Septuaginta no uso da palavra grega "πόρνη" (que geralmente é traduzido para o Português como "meretriz" ou "prostituta") para descrever Raabe. 

 De acordo com o relato bíblico, Raabe teria convertido-se a Deus e ajudado os espiões israelitas antes da invasão da cidade, hospedando-os em sua casa. Após a conquista de Jericó por Josué, a vida de Raabe é preservada juntamente com sua família. Após a destruição de Jericó, Raabe habitou entre os Israelitas e casou-se com Salmom. 

Deu à luz Boaz, que foi bisavô de Davi, tornando-se assim, da linhagem de Jesus. O Novo Testamento, no Evangelho segundo Matheus, informa que Raabe teria sido esposa de Salmom e mãe de Boaz, ...que se casou com Ruth que gerou Obede... que gerou Jessé, pai de Daví.

Maçonaria de Pau


Palavras do Gr.'. Mestre, Pod.'. Ir.'. Louis Block, de Yowa, sobre o que ele chama “maçonaria de pau”: 

“Muitos maçons que aprendem a recitar o ritual de maneira automática, não sabem que através de suas místicas palavras há ocultos pensamentos e significados que bem merecem ser descobertos. Semelhantes maçons estão aptos para viver mecanicamente balbuciando frases ritualísticas, como alguns devotos ignorantes cantam as rezas em latim, cujo real significado pouco, ou nada, conhecem. 

Uma coisa é estar apto para desempenhar e recitar um ritual, e outra é saber que o ritual tem um significado e conhecer qual é esse significado, aplicando-o á sabedoria, força e beleza, em nossa vida diária. A Maçonaria não serve para cega e estúpida devoção, consagrada a ela por homens de pau, que não sabem porque a servem; o que ela ama é a inteligente lealdade de homens que pensam e que têm uma razão para a sua fé. 

Ela ocultou as suas lições em frases místicas, não com o propósito de que aprendamos um número de palavras de estranhos sons, que sempre permanecerão para nós vazios e desprovidos de significado, mas com o fim de nos fazer pensar. Muitos recitam o ritual como se contivesse algum mágico encanto, e, para esses, o simples fato de que não podem entender o que ele diz, parece dar a suas frases misteriosas um poder milagroso. 

Estes homens podem constituir boas máquinas, porém nunca serão maçons. O Maçom que não consagra tempo para estudar e pensar, que nunca examina nem reflexiona, que só decora, que não penetra no significado aparente da palavra para buscar o pensamento real que se acha oculto no mais intimo desta, será sempre maçom, mas no nome, somente” . 

Traduzido do Boletim do Grande Oriente do Uruguay, de novembro de 1913.

Um Papa na Maçonaria

Dentre os Papas, destacou-se pelo ódio anticristão contra a Maçonaria, Pio IX. Mostrou-se rancoroso contra a Instituição depois de Papa. Pio IX chamava-se Giovanni Ferreti Mastai. Ele foi Maçom, tendo pertencido ao quadro de obreiros da Loja Eterna Cadena, de Palermo (Itália). Sob o número 13.715 foi arquivada, em 1839 na Loja Fidelidade Germânica, do Oriente de Nurenberg uma credencial de que foi portador o Irmão Giovanni Ferreti Mastai, devidamente autenticado, com selo da Loja Perpétua, de Nápolis. Como Irmão, como Maçom, Giovanni Ferreti Mastai foi recebido na Loja Fidelidade Germânica.

O Irmão Ferretti nasceu em 1792. Passou dois anos no Chile, servindo como secretário do vigário apostólico Mazzi; foi Arcebispo de Spoleto em 1827, bispo de Imola em 1832 e foi elevado a Cardeal, em 1840, e eleito Papa em 1846. Confrontando- se as datas, verifica-se que, em 1839, quando o Irmão Ferretti foi fraternalmente recebido na Loja Maçônica na Alemanha, já era Bispo. Ascendendo a Papa, Giovanni Ferretti Mastai traiu seu Juramento, feito em Loja Maçônica, com a mão sobre o Livro da Lei e honrou a Maçonaria com o seu ódio, culminando com a publicação, em 08 de dezembro de 1864, do Syllabus, e em que amontoou todas as bulas papais e encíclicas contra a Maçonaria, de que fizera parte. 

A Loja Eterna Cadena, filiada à Grande Loja de Palermo, em 26 de março de 1846 considerando o procedimento condenável do Irmão Giovanni, resolveu expulsá-lo como traidor, depois de convocá-lo para defender-se. Sua expulsão foi determinada por Victor Manuel, Rei da Itália e de toda a Península e Grão-Mestre da Maçonaria da Itália, que decretou mais tarde, em 1865 sua expulsão da Ordem por ter excomungado todos os membros da Maçonaria. Sua expulsão pelo Rei italiano e Grão-Mestre foi classificada como Perjuro. 

A Igreja Católica sempre tem procurado ocultar este episódio. Pio IX que tão ferozmente investiu contra os Maçons, sobretudo os da Itália, foi feito prisioneiro em 20 de setembro de 1870, pelos patriotas que lutavam e conquistaram a Unificação Italiana, tendo à frente vários Maçons inclusive, entre eles: Garibaldi, Mazzini, Cavour, Manzoni e outros. Apesar de feroz inimigo da Maçonaria, que traiu, Pio IX foi tratado com consideração pelos Maçons, seus aprisionadores. Viram nele o antigo Irmão transviado e, embora fosse ele um Perjuro, prevaleceu o Princípio Sagrado de Fraternidade. Foi belíssima a lição de amor ao próximo, dada pelos Maçons ao Papa Pio IX. 

Em conseqüência da bula Syllabus de Pio IX, contra a Maçonaria, é que surgiu no Brasil, a rumorosa Questão dos Bispos, também denominada. Questão Epíscopo-maçônica, quando Dom Vital, Bispo de Olinda, e Dom Antonio Macedo, Bispo do Pará, pretenderam que o Syllabus se sobrepusesse às Leis Civis Brasileiras, exigindo que as Irmandades religiosas eliminassem do seu seio os numerosos Maçons católicos que a compunham. As Irmandades reagiram e recorreram à Justiça, tendo tido ganho de causa. 

Os Bispos não acataram a decisão da Justiça. Foram julgados e condenados a quatro anos de prisão, com trabalho forçado. Um ano e pouco depois o Duque de Caxias, Maçon, então Presidente do Ministério do Segundo Império, anistiou-os. Este, Caríssimos Irmãos, é mais um episódio maçônico que deve ser divulgado!

Revista Um Universo Maçônico

Somos maçons!

Nós não somos maus. Nós não prejudicamos ou seduzimos pessoas. Nós não somos perigosos. Nós somos pessoas normais como você. Nós temos famílias, empregos, esperanças e sonhos. Nós não somos um culto. Nós não somos o que você acha quando vê TV. Nós somos reais. Nós rimos, nós choramos. Nós somos sérios, nós temos senso de humor. Você não precisa ter medo de nós Nós não queremos converter você. E por favor não tente nos converter. Apenas nos dê o mesmo direito que damos a você: VIVER EM PAZ!

Assista ao vídeo:

Em busca da verdade!

Há uma “sabedoria de Deus, misteriosa e oculta, que, desde antes dos séculos, Ele antecipadamente nos destinou" Porque pedes que te mostrem o oculto ? Eles não vão te mostrar. Porque exigir que te digam a verdade? Eles nunca te dirão. Quer conhecer o caminho, a verdade e a vida? Então retire todos os véus , um a um!

Assista ao vídeo:


Por José Cantos Lopes Filho

Maçonaria é vida


Diferentemente do que muitos pensam, a Maçonaria não convoca ninguém para a morte. A Maçonaria convoca todos, sem exceção, para uma jornada que defenda melhores condições de vida ao cidadão e à sua família, liberdade de pensamento aos seus ou não membros, a igualdade entre os povos de qualquer etnia, e acima de tudo uma fraternidade infinita a todos que vivem sob o manto de Jesus, o que lá se denomina Grande Arquiteto do Universo. 

Lamentável a noticia que li dias atrás que um Maçom perdeu a vida dentro de um templo maçônico. Claro, sentimos todos por essa fatalidade. Pior, muito pior foram os comentários que li e ouvi sobre este caso. Meu Deus, como pessoas desinformadas e sem nenhum escrúpulo emitem opinião sobre determinados fatos ou sobre determinadas organizações sem ter o menor conhecimento sobre ela. Li um comentário chamando a Maçonaria de clube do bolinha, pois segundo o comentarista, lá não entra mulher, e outro pedindo até interferência da Polícia Federal na Ordem! Vejam só quanta ignorância! O Médico, o Dentista, o Advogado, o Engenheiro, o Policial, o Mecânico, nenhum deles levam suas companheiras para o trabalho não é? Por que o Maçom tem que levar sua esposa quando ele vai trabalhar? Trabalhar sim, pois são durante as reuniões que são definidas as metas a serem seguidas. Claro que elas (as esposas) exercem um papel fundamental dentro da Maçonaria. 

A elas (cunhadas) são reservadas outras tarefas. Estão sempre à frente das inúmeras campanhas que seus maridos definem dentro dos templos. Se antes de omitir opinião sobre esta milenar e respeitada Ordem, tivesse o crítico a noção da grandeza da Maçonaria sobre todos os segmentos da sociedade, pensar-se-ia mil vezes para omiti-la. 

Esses não têm a mínima noção de que a Maçonaria, uma entidade secular e respeitadíssima em todo universo, está presente nas grandes decisões da humanidade. Não sabem ou fingem não saber, das intervenções de maneira silenciosa e discreta, exercidas pela maçonaria em muitos hospitais e atendimentos médicos pelo universo afora. 

Nunca saberiam se eu não revelasse agora, a ajuda substancial prestada pela Maçonaria cuiabana aos milhares de portadores de necessidades especiais atendidos pelo Ceope (Centro Estadual de Odontologia para Pacientes Especiais) e em outros hospitais. Não conseguirei, de maneira nenhuma, colocar neste espaço as infinitas ações filantrópicas que a Ordem Maçônica oferece a nossa população. Claro, diferentemente de um Supermercado quando coloca um produto em promoção e tem que, através dos meios de comunicação levar essa notícia ao maior número de fregueses possíveis para que haja um sucesso nas vendas, a Maçonaria prima pela discrição e pelo silencio absoluto. 

Não interessa à Ordem dar publicidade às suas ações. Não interessa aos irmãos que praticam a liberdade, igualdade e fraternidade verem a generosidade de seus corações estampada nos rádios, jornais ou televisões. Portanto, se você foi convidado a fazer parte dessa respeitável instituição, tenha absoluta certeza de que a Maçonaria te convocou para ser um soldado do bem. Aceite sem medo, você será o mais novo voluntário do Grande Arquiteto do Universo.

Irmão Eduardo Povoas
Cuiabá

Prece de um Venerável Mestre

A responsabilidade do Venerável Mestre é muito grande, então ele pede ao Grande Arquiteto do Universo que mostre o caminho a trilhar ao se dirigir a seus obreiros em sua oficina. 

Segue um vídeo com a Prece do Venerável. Assista com apenas um clique!



Por José Cantos Lopes Filho

Os sete mandamentos para desbastar a Pedra Bruta

Desde que entrei na Maçonaria estou sempre ouvindo que temos de desbastar a Pedra Bruta para transforma-la em Pedra Polida. Com o passar do tempo, percebi a dificuldade que eu tive de compreender totalmente este processo, mas decidi a empreendê-lo. Toda aprendizagem é solitária e individual, mas não tem necessariamente o caráter solitário. Pensei que deveria ter etapas para seguir, um organograma para orientar meus passos. Percebi que não tinha. A partir daí, refleti e fiz uma analogia com os 10 mandamentos, quer dizer, fiz um organograma para melhor me orientar no trabalho de desbastar a Pedra Bruta. Neste organograma fiz 7 etapas: 

1. Amar a Pedra Bruta 
2. Honrar a ti mesmo 
3. Guardar as segundas feiras 
4. Não desprezar o próximo 
5. Amar ao Irmão como a ti mesmo 
6. Não pecar contra o espírito 
7. Não tomar o nome da Maçonaria em vão. 

1 - AMAR A PEDRA BRUTA - Devemos amar a Pedra Bruta não para conhecê-la ao máximo, nem para tornarmos o melhor Maçom, mas para que nós nos tornemos melhor como homem, como trabalhador, como pai de família, como cidadão. Amar a Pedra Bruta é conhecer o bem. O que é conhecer o bem? É reavaliar, é conversar sobre bom caráter, honestidade, é ser alegre ser bom pai, ser membro efetivo na família, desempenhar bem no seu trabalho, exigir que você faça o melhor. É saber que você pode ganhar dinheiro pelo bem e pelo mal e optar pelo bem. É saber que um pai de família poder ser o melhor ou razoável e você optar por ser o melhor. Conhecer o bem é o primeiro passo para desbastar a Pedra Bruta. Mas para continuar a desbastar a Pedra Bruta, é necessário amar o bem, praticar o bem, adquirir o hábito de fazer o bem, é inserir o bem em você. As Pedras Brutas que é a matéria-prima da Grande Obra, sou eu, é você, somos nós. 

2 - HONRAR A TI MESMO - Quando eu tive o privilégio de ser admitido nesta Loja eu renasci, eu recebi a luz, e passei a dedicar com empenho a aprender o ofício que é a Arte Real. Eu simplesmente não só escuto como se usa os utensílios para desbastar a Pedra Bruta, mas eu utilizo estes utensílios como meu próprio guia para me reeducar, tornar melhor como indivíduo, honrando a mim mesmo. Somente através deste exercício permanente, contínuo, exaustivo é que conseguiremos de fato o aprendizado desta nova noção de outro bem que é a Honra. Para isto tive de admitir que sou um homem livre e de bons costumes, isto quer dizer que tenho o direito e o privilégio de exercitar a liberdade. Exercitar a liberdade é me considerar sem prepotência, sem falsa modéstia que sou um ser agraciado. Sou meu próprio centro. A todo Maçom é dado o direito de adquirir e desenvolver, pela prática, as qualidades humanas; é dado o direito de conquistar novos sentimentos e modificar sentimentos indesejáveis, é dado o direito de disciplinar as paixões para o bem, habituando a sentir, a pensar e agir como homem honroso. Para tudo isto, ninguém, nenhum Maçom necessita ficar sentado por longos anos nas carteiras escolares; mas sim, necessita ter o desejo de fazer o bem e um pouco de boa vontade. 

3 - GUARDAR AS SEGUNDAS-FEIRAS - Assim como a religião católica guarda o domingo e usa este dia para unir os seus devotos e discutir a sua essência como religião utilizando os Rituais como a missa; os Adventistas do 7º dia utilizam o sábado para jejuar e praticar a caridade, os judeus utilizam um dia do ano para obter perdão eu utilizo e utilizarei simbolicamente as segundas-feiras como um dia especial de reflexão, de abastecimento, de aquisição de novos ensinamentos. Simbolicamente, porque todo esse processo de desbastar a Pedra Bruta deve ser feito todos os dias, rotineiramente. Para mantermos a boa saúde física, necessitamos seguir certas regras de vida material e regime (esporte, alimentação); também para a boa saúde do espírito, necessitamos de exercícios metódicos, por isso nós temos que guardar as segundas-feiras para mantermos permanente contato com as idéias que servem de base ao ideal moral e com os sentimentos que são os motores desse ideal. As circunstâncias banais da vida, os interesses cotidianos, as tarefas prendem o homem a limitados horizontes propícios ao egoísmo. Por isso nós temos as segundas-feiras para que de um modo sistemático, o nosso espírito faça uma pausa, para tomarmos contato com as idéias generosas e reabastecer de energia espiritual. Através das reuniões onde aprenderemos a ouvir e meditar com humildade e lucidez os ensinamentos dos irmãos mais experientes. Vamos utilizar as segundas-feiras para extrair força, riquezas de sentimentos. 

4 - NÃO DESPREZAR O PRÓXIMO - Nunca crer em possuir uma verdade absoluta e indiscutível; pois é perigoso para si mesmo porque traça limites para seu espírito; é perigoso para os outros porque você imaginando que só você detém a verdade, irrita-se ao encontrar no próximo, opiniões diferentes, e você facilmente o desprezará, levando você a intolerância, a tirania. Vamos pesquisar a verdade com a fé profunda no que ela tem de bem e de belo, mas com a convicção de que nosso espírito é por demais fraco e pequeno para possuí-la de maneira absoluta; seria crime querer impô-la ao próximo, só porque pensam de maneira diferente de nós. A verdade nada tem de absoluto, mas na prática, é suficiente para alimentar nosso pensamento e guiar nossa vida. O espírito crítico é um instrumento de trabalho, mas o espírito de crítica para com o próximo conduz somente a resultados negativos. O próximo ter uma opinião diferente da minha é para ele um direito absoluto e sagrado. Não basta que toleremos um ao outro, é necessário que cada um de nós respeite, no outro, um reflexo da verdade absoluta que espírito nenhum pode atingir, mas que cada um tem o dever de procurar alcançar com firmeza, da melhor maneira possível. Se eu na minha nova condição de membro efetivo desta Loja, um ser livre que optei pelo bem, decidi a vivenciar plenamente a Honra é óbvio que o próximo é a minha extensão. Por isso, para amar o próximo é imprescindível que tenha já compreendido e empreendido, que tenha esgotado e desgastado o pré-requisito de Honrar a ti mesmo. Se eu não me honro como reconheceria a outro? 

5 - AMAR AO IRMÃO COMO A TI MESMO - Não basta que os Maçons se tratem reciprocamente de "Irmãos" e proclamem que desejam estender essa fraternidade a toda a Humanidade, para se formar uma só família. A fraternidade manifestada em palavras não faz o menor sentido, se não exprime um estado de espírito. A teoria tem que estar conforme a prática. A fraternidade está no coração e não nos lábios. Vamos afastar de toda querela, discórdia, calúnia, maledicência, cólera, rancor, vamos afastar de tudo quanto possa prejudicar a reciprocidade nos bons relacionamentos com os irmãos. Não vamos só traçar planos, vamos construir o edifício. 

6 - NÃO PECAR CONTRA O ESPÍRITO - Vamos aliviar o espírito dos vícios, desvios, ilusões, escravidão para podermos alcançar a paz, a plenitude, o equilíbrio. Só assim conseguiremos transformar a Pedra Bruta em Pedra Polida. É com a saúde espiritual e moral é que vamos conseguir um corpo sadio e a serenidade. 

7 - NÃO TOMAR O NOME DA MAÇONARIA EM VÃO - Depois de reconhecer, optar, verificar os resultados, constatar o que há atrás da porta é naturalmente uma oportunidade única, singular. Ser Maçom. A Maçonaria é o útero que protege, acolhe; é o alimento que nutre e faz amadurecer, é o sinalizador para o renascimento. Agradeço a todos vocês que acreditaram que eu seria uma extensão de vocês e através de vocês eu estou aqui. Sem euforia, mas sensibilizado. Obrigado Maçonaria, não tomarei seu Santo Nome em vão. Assim a Pedra Bruta ao ser trabalhada adquire Força por se poder encaixar com outras, Beleza pelo seu equilíbrio de formas e Sabedoria porque ao refletir a luz torna-se ela própria uma forma de Luz transmitida. Um Maçom não é uma criança obrigada a decorar um catecismo. Um Maçom é um homem livre, um homem instruído, um homem capaz de pesquisar e de encontrar a verdade tal é grande a finalidade da Maçonaria.

Trabalho do Ir.: José Lopes
Loja não identificada

Nota do Venerável Mestre da Loja Maçônica de Acopiara, José Ferreira Lima

Esta página está sendo criada para que possamos utilizá-la da melhor forma possível, postando os nossos trabalhos e ações em prol de uma sociedade mais justa e perfeita. Neste espaço os maçons de Acopiara poderão também divulgar os seus trabalhos ritualísticos contribuindo desta forma para o engradecimento moral da irmandade, bem como da Maçonaria Universal. O blog da Loja Maçônica de Acopiara vai buscar parcerias com outras páginas objetivando melhorar ainda mais a fraternidade existente entre os maçons. Muito obrigado a todos que contribuíram com esta nova fase, principalmente, a Grande Loja Maçônica do Estado do Ceará através do Grão Mestre, Silvio de Paula, a qual a nossa loja é filiada.

Fraternalmente,

José Ferreira Lima.:
Venerável Mestre

No ar a página da Maçonaria de Acopiara